Adubação das plantas na agricultura orgânica

Adubos ou fertilizantes orgânicos.

Agricultura orgânica é o sistema de manejo sustentável que visa à preservação ambiental, a agro-biodiversidade  e a qualidade de vida humana. Por isso, o princípio da produção orgânica é o estabelecimento do equilíbrio da natureza utilizando métodos naturais de adubação e de controle de pragas.

Adubar é fornecer a planta de todos os elementos necessários para que esta tenha um desenvolvimento saudável e equilibrado. Uma correta adubação baseia-se na premissa de fornecer à planta o nutriente adequado, na dose adequada e da forma correta.

Com vista a atingir este objetivo, podemos usar adubos inorgânicos ou adubos orgânicos. Porém o desejável é que se utilize somente adubos orgânicos e para entender o porque de usar só adubos orgânicos é importante conhecer cada um deles.

 

Diferenças entre adubos orgânicos e inorgânicos. 

 

Adubação Orgânica:

São obtidos da decomposição da matéria de origem vegetal ou animal, como esterco, restos de comida, algas ou cascas e restos de vegetais.  São de ação mais lenta que os minerais, já que necessitam continuar se transformado antes de serem utilizados pelos vegetais. Fornece lenta, mas continuamente os nutrientes requeridos pelas plantas e promovem o desenvolvimento da flora microbiana e por consequência melhoram as condições físicas do solo.

 

adubo-organico-300x225

 

Adubação Inorgânica:

São adubos obtidos a partir de extração de minerais ou do petróleo e posteriormente transformados pelas indústrias químicas. Esses adubos são, em geral, uma mistura dos principais nutrientes necessários para às plantas: nitrogênio, potássio e fósforo, entre outros, podendo conter apenas um elemento ou mais de um. São diretamente assimilados pelas plantas ou sofrem apenas pequenas transformações no solo para serem absorvidos, fornecendo rapidamente os nutrientes que precisam as plantas, mas de forma não equilibrada.

 

adubo-inorganico-300x235

 

Porque devemos usar adubos orgânicos?

A palavra chave da agricultura orgânica é equilíbrio. Devemos estabelecer o equilíbrio com a natureza de nosso sistema de produção, seja uma fazenda ou uma pequena horta no jardim ou na varanda. O mesmo acontece com a nutrição das plantas, ela precisa ser equilibrada.

Uma adubação equilibrada fornece a planta os nutrientes que ela precisa na quantidade exata. Não devemos confundir uma planta bem nutrida com uma planta nutrida em excesso.  Da mesma forma que ocorre em seres humanos, o excesso de nutrientes é danoso à saúde das plantas e pode comprometer a produção da mesma forma que a falta de nutrientes.  Um excesso de adubação provoca um crescimento acelerado, uma maior quantidade de nutrientes na seiva, o que vai atrair as pragas sugadoras, uma diminuição da resistência a doenças e um crescimento desequilibrado da planta.

Os adubos inorgânicos geram facilmente desbalanço nutricional na planta, visto que é muito difícil fornecer os nutrientes necessários fazendo a utilização destes. Isto acontece devido a sua rápida e fácil absorção, que muitas vezes faz com que a planta absorva os nutrientes de forma excessiva.

Por outro lado, e devido à alta solubilidade dos adubos inorgânicos, eles são arrastados pela água, indisponibilizando os nutrientes.

Os adubos orgânicos geralmente contêm todos os nutrientes que a planta precisa e liberam-nos pouco a pouco. Os nutrientes ficam mais tempo no solo e são absorvidos mais lentamente. Desta forma, a planta não vai ter excesso nem falta de nutrientes, equilibrando a planta e ficando mais resistente contra o ataque de pragas e doenças, já que ela pode se defender “sozinha”.

 

lixiviacao-dos-nutrientes-223x300

 

Outro problema dos adubos inorgânicos é que provocam acidificação e salinização de solos, prejudicando o desenvolvimento dos microorganismos do solo. Os adubos orgânicos em compensação propiciam condições para os organismos microscópicos se desenvolverem. Os microorganismos aumentam a fertilidade do solo convertendo as substâncias orgânicas em compostos inorgânicos, tornando-os úteis para os vegetais.  É uma verdade generalizada que, quanto mais microorganismos existirem no solo, mais produtivo ele será.

Os adubos orgânicos beneficiam o condicionamento físico do solo, melhorando a estrutura dele, devido à capacidade de agregar as partículas do solo, formando “grumos”. Esse efeito torna o solo mais poroso, o que melhora a circulação de ar e água nos poros (espaços vazios entre as partículas) do solo e facilita o desenvolvimento das raízes.

Por último, o uso de fertilizantes inorgânicos acarreta problemas para o meio ambiente, dentre eles a contaminação de lençóis freáticos, rios e lagos. Muitos dos fertilizantes levam poluentes orgânicos persistentes (POPs), como dioxinas e metais pesados em sua composição, que contaminam os animais e plantas que vivem na água. Outros animais ou o próprio ser humano podem se contaminar ao beber a água ou comer animais intoxicados.

A contaminação da água também pode levar à sua eutrofização. Esse é um processo em que, os compostos nitrogenados ou fosfatados, ao chegarem a rios, lagos e zonas costeiras favorecem o crescimento e o aumento de número de algas, que por sua vez levam à diminuição do oxigênio e à morte diversos organismos.

Artigo visto em: www.blog.mundohorta.com.br

Alex Balduzzi

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.